Neoplasias malignas em região de cabeça e pescoço: perfil dos pacientes atendidos na UFMG

Igor Figueiredo Pereira

Texto completo:

HTML (Português (Brasil))

Resumen

Introdução: no Brasil, a mortalidade por doenças crônico-degenerativas vem mostrando uma ascensão progressiva, destacando-se as neoplasias malignas como a segunda causa de morte. O câncer bucal possui uma predominância em países em desenvolvimento, em especial na classe social com níveis socioeconômicos mais baixos.
Objetivo: verificar o perfil epidemiológico dos pacientes submetidos à radioterapia/quimioterapia e atendidos na Faculdade de Odontologia da UFMG.
Métodos: consistiu de um estudo retrospectivo, descritivo do tipo transversal. Foram analisados todos os registros dos pacientes atendidos no projeto de extensão: "Atendimento de suporte odontológico ao paciente portador de neoplasia maligna e irradiado em região de cabeça e pescoço", no intervalo de 2005 a 2104. Após a coleta, as informações foram digitadas e organizadas em base do programa R versão 3.0.3.
Resultados: dos 458 registros analisados entre 2005 e 2014, 351 (76,6 %) corresponderam a indivíduos do sexo masculino e 107 (23,4 %), do sexo feminino, com 55,57 (± 12,2) anos de média de idade. Verificou-se que o carcinoma de células escamosas foi o mais prevalente com 334 (73,2 %) dos casos. Em relação à localização do tumor, a cavidade oral apareceu com 193 (43,0 %) dos casos, já os tumores localizados em faringe e laringe, foram 156 (34,7 %). Em relação ao tratamento, a radioterapia foi realizada em 409 (89,7 %) dos pacientes, já a quimioterapia foi realizada em 237 (52,7 %) dos casos. Ao analisar as complicações pós-radioterapia, foram registrados 144 (32,6 %) casos de mucosite, 76 (17,2 %) de candidíase e apenas 40 (10,6 %) de osteorradionecrose.
Conclusão: houve uma maior prevalência de pacientes do sexo masculino, com a sexta década de vida, como a mais acometida, sendo expressivo o número de casos em que o tratamento preconizado foi a radio e quimioterapia. O tipo de Câncer mais frequente foi o de células escamosas, localizados principalmente na cavidade oral e a complicação pós-radioterápica mais encontrada foi a mucosite.

Palavras chaves: neoplasias de cabeça e pescoço; radioterapia; quimioterapia; epidemiologia.


Palabras clave

Neoplasias de Cabeça e Pescoço, Radioterapia, Quimioterapia, Epidemiologia.